Rubem Ludolf e o Plano da Cor - 22 de março a 28 de abril de 2017.               

Após um híato de 12 anos, a Galeria Berenice tem o prazer de apresentar, a partir de 21 de março de 2017, às 19h, a exposição “Rubem Ludolf e o Plano da Cor”. Sob curadoria Celso Fioravante e uma abordagem panorâmica, a mostra percorre a produção deste importante nome do construtivismo brasileiro desde o início dos anos 1950, até chegar aos trabalhos criados em seus últimos anos de vida.

Realizada em celebração aos 85 anos de nascimento de Rubem Ludolf (1932-2010), a exposição propõe um mergulho cronológico que explora o rigor das formas e o apuro cromático que enredam a percepção do espectador. “Rubem Ludolf e o Plano da Cor” é composta por algumas raridades, como trabalhos figurativos de quando ele ainda assinava como RMauro, abreviação de seu nome Rubem Mauro Cardoso Ludolf, trazendo composições, paisagens e naturezas mortas predominadas pela cor.

Na segunda metade da década de 1950, Ludolf participou da III Bienal de São Paulo e do Grupo Frente, ao lado de expoentes da arte brasileira, como Ivan Serpa, que foi seu professor, Lygia Clark, Aluísio Carvão, João José da Silva Costa, Franz Weissman e Helio Oiticica, entre outros. Desta fase destaca-se a construção metódica de um pensamento plástico, marcado pela organização do espaço pictórico, das quais emanam padrões e cortes chapadas, mostrados nesta exposição em estudos, guaches e óleos. Ludolf cria campos de forças onde elementos dispostos dinamicamente, se atraem em jogos de equivalências visuais.

A mostra acompanha as mudanças de suas pinturas na década de 1960, conhecida como fase das “Tramas”, e o retorno ao abstracionismo geométrico na década de 1980. Apesar de cobrir um arco sobre os 60 anos de sua produção, a ênfase desta mostra se dá justamente nas soluções construtivas realizadas entre as décadas de 1970, 1980, 1990 e 2000, que aprofundaram e recriaram o vigor de sua precisão concreta, por meio de pinturas, caixas de acrílico e serigrafias. 




Curadoria / Curator - Celso Fioravante
Abertura: 21 de março de 2017, das 17h às 22h.
Exposição: de 22 de março a 28 de abril de 2017.
Rua Oscar Freire, nº 540, LJ 05 -  Jardins - São Paulo - SP -  Tels (11) 3082-1927 | (11) 3088-2843

,
 
Rubem Ludolf e o Plano da Cor - 22 de março a 28 de abril de 2017.               

Após um híato de 12 anos, a Galeria Berenice tem o prazer de apresentar, a partir de 21 de março de 2017, às 19h, a exposição “Rubem Ludolf e o Plano da Cor”. Sob curadoria Celso Fioravante e uma abordagem panorâmica, a mostra percorre a produção des
te importante nome do construtivismo brasileiro desde o início dos anos 1950, até chegar aos trabalhos criados em seus últimos anos de vida.

Realizada em celebração aos 85 anos de nascimento de Rubem Ludolf (1932-2010), a exposição propõe um mergulho cronológico que explora o rigor das formas e o apuro cromático que enredam a percepção do espectador. “Rubem Ludolf e o Plano da Cor” é composta por algumas raridades, como trabalhos figurativos de quando ele ainda assinava como RMauro, abreviação de seu nome Rubem Mauro Cardoso Ludolf, trazendo composições, paisagens e naturezas mortas predominadas pela cor.

Na segunda metade da década de 1950, Ludolf participou da III Bienal de São Paulo e do Grupo Frente, ao lado de expoentes da arte brasileira, como Ivan Serpa, que foi seu professor, Lygia Clark, Aluísio Carvão, João José da Silva Costa, Franz Weissman e Helio Oiticica, entre outros. Desta fase destaca-se a construção metódica de um pensamento plástico, marcado pela organização do espaço pictórico, das quais emanam padrões e cortes chapadas, mostrados nesta exposição em estudos, guaches e óleos. Ludolf cria campos de forças onde elementos dispostos dinamicamente, se atraem em jogos de equivalências visuais.

A mostra acompanha as mudanças de suas pinturas na década de 1960, conhecida como fase das “Tramas”, e o retorno ao abstracionismo geométrico na década de 1980. Apesar de cobrir um arco sobre os 60 anos de sua produção, a ênfase desta mostra se dá justamente nas soluções construtivas realizadas entre as décadas de 1970, 1980, 1990 e 2000, que aprofundaram e recriaram o vigor de sua precisão concreta, por meio de pinturas, caixas de acrílico e serigrafias. 




Curadoria / Curator - Celso Fioravante
Abertura: 21 de março de 2017, das 17h às 22h.
Exposição: de 22 de março a 28 de abril de 2017.
Rua Oscar Freire, nº 540, LJ 05 -  Jardins - São Paulo - SP -  Tels (11) 3082-1927 | (11) 3088-2843

,
 
Rubem Ludolf e o Plano da Cor - 22 de março a 28 de abril de 2017.               

Após um híato de 12 anos, a Galeria Berenice tem o prazer de apresentar, a partir de 21 de março de 2017, às 19h, a exposição “Rubem Ludolf e o Plano da Cor”. Sob curadoria Celso Fioravante e uma abordagem panorâmica, a mostra percorre a produção deste importante nome do construtivismo brasileiro desde o início dos anos 1950, até chegar aos trabalhos criados em seus últimos anos de vida.

Realizada em celebração aos 85 anos de nascimento de Rubem Ludolf (1932-2010), a exposição propõe um mergulho cronológico que explora o rigor das formas e o apuro cromático que enredam a percepção do espectador. “Rubem Ludolf e o Plano da Cor” é composta por algumas raridades, como trabalhos figurativos de quando ele ainda assinava como RMauro, abreviação de seu nome Rubem Mauro Cardoso Ludolf, trazendo composições, paisagens e naturezas mortas predominadas pela cor.

Na segunda metade da década de 1950, Ludolf participou da III Bienal de São Paulo e do Grupo Frente, ao lado de expoentes da arte brasileira, como Ivan Serpa, que foi seu professor, Lygia Clark, Aluísio Carvão, João José da Silva Costa, Franz Weissman e Helio Oiticica, entre outros. Desta fase destaca-se a construção metódica de um pensamento plástico, marcado pela organização do espaço pictórico, das quais emanam padrões e cortes chapadas, mostrados nesta exposição em estudos, guaches e óleos. Ludolf cria campos de forças onde elementos dispostos dinamicamente, se atraem em jogos de equivalências visuais.

A mostra acompanha as mudanças de suas pinturas na década de 1960, conhecida como fase das “Tramas”, e o retorno ao abstracionismo geométrico na década de 1980. Apesar de cobrir um arco sobre os 60 anos de sua produção, a ênfase desta mostra se dá justamente nas soluções construtivas realizadas entre as décadas de 1970, 1980, 1990 e 2000, que aprofundaram e recriaram o vigor de sua precisão concreta, por meio de pinturas, caixas de acrílico e serigrafias. 




Curadoria / Curator - Celso Fioravante
Abertura: 21 de março de 2017, das 17h às 22h.
Exposição: de 22 de março a 28 de abril de 2017.
Rua Oscar Freire, nº 540, LJ 05 -  Jardins - São Paulo - SP -  Tels (11) 3082-1927 | (11) 3088-2843

,
 
Rubem Ludolf e o Plano da Cor - 22 de março a 28 de abril de 2017.               

Após um híato de 12 anos, a Galeria Berenice tem o prazer de apresentar, a partir de 21 de março de 2017, às 19h, a exposição “Rubem Ludolf e o Plano da Cor”. Sob curadoria Celso Fioravante e uma abordagem panorâmica, a mostra percorre a produção des
te importante nome do construtivismo brasileiro desde o início dos anos 1950, até chegar aos trabalhos criados em seus últimos anos de vida.

Realizada em celebração aos 85 anos de nascimento de Rubem Ludolf (1932-2010), a exposição propõe um mergulho cronológico que explora o rigor das formas e o apuro cromático que enredam a percepção do espectador. “Rubem Ludolf e o Plano da Cor” é composta por algumas raridades, como trabalhos figurativos de quando ele ainda assinava como RMauro, abreviação de seu nome Rubem Mauro Cardoso Ludolf, trazendo composições, paisagens e naturezas mortas predominadas pela cor.

Na segunda metade da década de 1950, Ludolf participou da III Bienal de São Paulo e do Grupo Frente, ao lado de expoentes da arte brasileira, como Ivan Serpa, que foi seu professor, Lygia Clark, Aluísio Carvão, João José da Silva Costa, Franz Weissman e Helio Oiticica, entre outros. Desta fase destaca-se a construção metódica de um pensamento plástico, marcado pela organização do espaço pictórico, das quais emanam padrões e cortes chapadas, mostrados nesta exposição em estudos, guaches e óleos. Ludolf cria campos de forças onde elementos dispostos dinamicamente, se atraem em jogos de equivalências visuais.

A mostra acompanha as mudanças de suas pinturas na década de 1960, conhecida como fase das “Tramas”, e o retorno ao abstracionismo geométrico na década de 1980. Apesar de cobrir um arco sobre os 60 anos de sua produção, a ênfase desta mostra se dá justamente nas soluções construtivas realizadas entre as décadas de 1970, 1980, 1990 e 2000, que aprofundaram e recriaram o vigor de sua precisão concreta, por meio de pinturas, caixas de acrílico e serigrafias. 




Curadoria / Curator - Celso Fioravante
Abertura: 21 de março de 2017, das 17h às 22h.
Exposição: de 22 de março a 28 de abril de 2017.
Rua Oscar Freire, nº 540, LJ 05 -  Jardins - São Paulo - SP -  Tels (11) 3082-1927 | (11) 3088-2843



Sem título
Óleo sobre eucatex
Sem data
29 x 43 cm
 
Sem título
Lápis de cor sobre papel
Estudo; anos 50
32 x 21 cm
 
Óleo sobre Tela
Ano 1985
100 x 100 cm
 
Sem título
Óleo sobre tela
Ano 2004
100 x 100 cm
 

CMS Web Estúdio | Web Dinâmica | São Paulo | SP